Prevenção é melhor estratégia contra queimadas

O fogo que atingiu a serra de São Pedro entre os dias 11 e 18 de outubro preocupou moradores e turistas e chamou a atenção para um fato que infelizmente não é isolado: queimadas em áreas de vegetação. Levantamento do Corpo de Bombeiros de São Pedro indica que de janeiro até agora foram registrados 91 ocorrências, em um total de 110 registros no período. A área atingida em 2019 já é de 500,8 mil metros quadrados, considerados apenas o incêndio em vegetação.

A maioria dos registros – 66 – ocorreu entre junho e outubro, período da  Operação Corta Fogo e da estiagem. Nestes meses, a área atingida, segundo os dados do Corpo de Bombeiros, é de 311,7 mil metros quadrados.

Além do trabalho do Corpo de Bombeiros, o combate ao fogo em áreas de vegetação mobiliza brigadistas e outros funcionários da Prefeitura de São Pedro.

A Operação Corta Fogo é o nome do Sistema Estadual de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais, coordenado pela Secretaria Estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente. A Operação envolve e articula a ação de órgãos como o Corpo de Bombeiros, Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil, Polícia Militar Ambiental, Cetesb, Fundação Florestal e Instituto Florestal.

As atividades principais são prevenção, controle, monitoramento e combate a incêndios. Em São Pedro, a Brigada Civil de Combate a Incêndios existe desde de março de 2014, mesmo ano em que o Código de Postura do município instituiu proibição de queimadas e aplicação de multas na área urbana.

Em abril deste ano, integrantes da Prefeitura participaram, em Piracicaba, da Oficina Preparatória para Operação Estiagem, promovida pela Defesa Civil Estadual. O município também recebeu o kit estiagem, composto por 5 abafadores, 5 cantis, 5 facões com bainha, 5 luvas de raspa, 5 óculos de proteção, 2 bombas costais flexíveis e 2 enxadões.

PREVENÇÃO - As queimadas são um grande problema ambiental e a prevenção é essencial para que o meio ambiente seja preservado. Entre as ações que não podem ser realizadas, sob o risco de início do fogo, estão o descarte de bitucas de cigarro em locais onde haja vegetação, atear fogo em vegetação e fogueiras em locais próximo à vegetação. Latas de metal e garrafas de vidro também não podem ser jogadas em qualquer local, pois elas esquentam com muita facilidade e podem causar queimadas.

“Ações como essa podem desencadear fogo de difícil controle, o que dificulta muito o combate”, alerta o sargento do Corpo de Bombeiros, Ricardo Migatta. A operação de combate ao fogo na serra de São Pedro, contou com várias equipes em solo e também apoio do helicóptero Águia, da Polícia Militar.

Entre as consequências dos incêndios florestais estão prejuízos à biodiversidade, com morte de plantas, animais e microorganismos fundamentais para o equilíbrio ecológico. A fertilidade do solo também pode ser atingida, tornando as lavouras menos produtivas. Outro efeito preocupante é a qualidade da água, já que o fogo pode atingir matas ciliares que protegem rios, riachos, córregos e ribeirões, contribuindo para a ocorrência de seca e a baixa unidade relativa do ar. Há também estudos científicos que apontam as queimadas como a segunda maior causa para o aumento do efeito estufa e do aquecimento global.

Nas cidades, é comum o registro de queimadas criminosas ou acidentais, como, por exemplo, quando uma pessoa joga pontas de cigarros em terrenos baldios. Algumas pessoas também utilizam o fogo na queima de lixo doméstico e limpeza de lotes baldios e com os ventos, comuns nesta época do ano, as chamas se espalham causando danos ao meio ambiente e até às redes elétrica e telefônica.

Há ainda consequências como o aparecimento nas residências de cobras, escorpiões, aranhas, ratos, entre outras espécies “expulsas” de seu habitat natural pelo fogo, que podem causar acidentes aos seres humanos.

As margens de rodovias são outro ponto que exigem atenção. Nestes locais, os incêndios se alastram rapidamente e podem causar acidentes graves ao dificultar a visão dos motoristas.

A fumaça e a fuligem também causam problemas. Diminuem a qualidade do ar e podem provocar doenças respiratórias, como asma e rinite, atingindo principalmente, crianças e idosos.

MULTAS – Em São Pedro, a legislação municipal, proíbe, sob qualquer forma, a realização de queimada nas vias públicas e no interior de imóveis, públicos ou particulares, localizados na zona urbana do município.

Para os fins da lei, entende-se por queimada a queima de mato ou vegetação, seca ou verde, para fins de limpeza de terrenos em aberto ou de áreas livres localizadas em imóveis edificados; a queima ao ar livre, como forma de descarte, de papel, papelão, madeiras, mobílias, galhos, folhas, lixo, entulhos e outros resíduos sólidos assemelhados; a queima ao ar livre, como forma de descarte de pneus, borrachas, plásticos, resíduos industriais ou outros materiais combustíveis assemelhados, sólidos ou líquidos.  Também é proibida a queimada em terrenos marginais de rodovias, de rios, de lagos ou de matas de quaisquer espécies.

A infração prevista é multa de 20 Ufesps a 50 Ufesps (R$ 530,60 a R$ 1.326,50), valor que pode ser aplicado em dobro se as infrações forem cometidas no horário compreendido entre as 18h de um dia e às 6h do dia seguinte, bem como as cometidas aos sábados, domingos e feriados. Até setembro foram aplicadas 31 multas.

   

 

  • Publicar no Facebook
  • Publique um Tweet no Twitter
  • Enviar por e-mail
  • Copiar URL curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
VLibras botão
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo da Prefeitura de São Pedro pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.