Prefeitura de São Pedro fará nebulização e arrastão contra a dengue

[caption id="attachment_5746" align="alignnone" width="300"]dengue1 Arrastão realizado em 2014[/caption]    Para barrar o avanço do número de casos confirmados de dengue em São Pedro – foram 24 do início do ano até agora, a Secretaria Municipal de Saúde e Desenvolvimento Social programou para este sábado, dia 14, a nebulização de locais com grande concentração de público, como a Escola Benedito Modesto de Paula, a Umis (Unidade Mista de Saúde), a UBS (Unidade Básica de Saúde) São Dimas e o Cemitério. A Santa Casa já passou pelo processo na terça-feira, dia 10. Também será realizado arrastão para o recolhimento de materiais que podem ser transformados em criadouro do Aedes aegypti nos bairros Jardim São Pedro, Recanto e São Judas no dia 21 de março. As ações complementam outras já realizadas pela equipe da Vigilância Epidemiológica para impedir a proliferação da dengue, como os bloqueios feitos em locais em que há confirmação de casos. Nesta situação, a casa da pessoa e a vizinhança passa por vistoria, aplicação de produtos que matam as larvas e orientações para impedir a criação de novos criadouros. No caso da nebulização, o principal objetivo é matar os mosquitos transmissores da dengue. Veterinário da Vigilância Epidemiológica, Matheus de Melo Murbach, explica que a nebulização é um processo semelhante à dedetização. Após a equipe passar pelos locais, é preciso esperar um período de 20 minutos e por isso a nebulização será feito no sábado. Apenas em caso de chuva a ação precisará ser reagendada. A Vigilância Epidemiológica também prepara arrastões para recolher entulhos que podem se transformar em criadouros do mosquito. A ação está programada para o dia 21, sábado, nos bairros Jardim São Pedro, Recanto e São Judas. Os bairros com maior número de ocorrências da doença provocada pelo mosquito Aedes aegypti são São Judas e Jardim São Pedro. Responsável pela Vigilância em Saúde no município, Gislene Nicolau dos Santos explica que a responsabilidade de manter locais limpos é de todos.“Na maioria das casas encontramos focos. A população precisa estar alerta e cuidar bem dos espaços para evitar a transmissão. Mesmo em  casos de vasilhas vazias, é preciso lavar bem com bucha e sabão para evitar a proliferação das larvas e os ovos, que podem durar até dois anos”, disse. Para alertar sobre os perigos da doença, a Saúde fez distribuição de folhetos de orientação em fevereiro e no ano passado promoveu arrastões e nebulização de bairros com maior incidência de casos. “É preciso reforçar que cada um é responsável por manter seu quintal limpo. Se todos fizerem a sua parte, a situação fica sob controle”, disse Gislene. O início do ano, por conta das chuvas e de altas temperaturas,  é o período de maior transmissão da dengue em todo o país. O primeiro balanço do Ministério da Saúde de 2015 registrou um aumento de 57,2% dos casos notificados no mês de janeiro, comparado ao mesmo período do ano passado. Foram 40.916 notificações no primeiro mês de 2015, contra os 26.017 em janeiro de 2014. O coordenador do Programa Nacional de Controle da Dengue do Ministério da Saúde, Giovanini Coelho, ressaltou que cerca de 70% dos focos do mosquito Aedes aegypti estão em residências. “Em 15 minutos semanais é possível fazer uma vistoria em casa e acabar com qualquer possível criadouro do mosquito. Toda a vizinhança precisa se engajar no combate ao mosquito”, convocou Giovanini. O coordenador alertou também para o hábito das pessoas de estocar água em casa, especialmente neste período de estiagem. “Acumular água em casa sem proteção, sem que os vasilhames estejam corretamente fechados, facilita a reprodução do mosquito transmissor da dengue”, ressaltou o coordenador, lembrando que não pode deixar também de considerar os outros fatores de risco para a procriação de mosquitos, como calhas, pneus, brinquedos, caixas d’água destampada, vasilhas de água para animais.  
  • Publicar no Facebook
  • Publique um Tweet no Twitter
  • Enviar por e-mail
  • Copiar URL curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
VLibras botão
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo da Prefeitura de São Pedro pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.