Drift Trike marca primeiro final de semana do São Pedro Adventure 2019

Serra do Querosene, em São Pedro, será palco da 4ª Etapa do Campeonato Estadual

O Drift Trike, esporte de velocidade e manobras radicais, um híbrido dos carrinhos de rolimã com as bicicletas BMX, abre as provas do São Pedro Adventure 2019 recebendo pilotos de vários estados como SP, MG, ES, PR, SC, movimentando a economia local, o turismo e dando o pontapé inicial para seis finais de semana de muita emoção e adrenalina com as provas esportivas e atividades recreativas preparadas pela comissão organizadora.

A etapa de São Pedro é uma das mais esperadas no circuito e conhecida mundialmente pela qualidade técnica e pela beleza do lugar. “A Ladeira do Querosene é a melhor que temos no circuito do Campeonato Paulista e o apoio, tanto da Prefeitura quanto da organização do São Pedro Adventure, proporciona uma infraestrutura excelente para a prova”, destaca Bruno Plá, um dos organizadores da Prova.

A expectativa é de que a cidade receba 70 pilotos, divididos nas categorias Feminino, Juvenil, Masters, Sport e Pró, reunindo ainda mais de 250 expectadores na Serra do Querosene, que terá infraestrutura com Praça de Alimentação e banheiros para receber atletas e visitantes.

“O Drift Trike está conosco desde a primeira edição e é uma das provas que mais movimenta o comércio local, já que os treinos acontecem no sábado e as competições do domingo, o que favorece a permanência dos atletas na cidade, gerando movimento nos hotéis, pousadas, e nos estabelecimentos de alimentação fora do lar”, destaca Clarissa Quiararia, secretária de Turismo.

O São Pedro Adventure segue ao longo de todo o mês de setembro, com mais quatro modalidades competitivas e duas atividades recreativas. Informações podem ser obtidas através do telefone (19) 3481-9269 ou pelo e-mail turismo@saopedro.sp.gov.br.

Serviço:

24 e 25/08 – 4ª Etapa Paulista de DriftTrike – Liga Paulista de DriftTrike

Local: Serra do Querosene

24/08 – das 13h às 18h

Treinos e Tomada de Tempo

25/08 – das 8h às 18h

Provas

O Esporte

História. Os primeiros modelos foram produzidos de forma artesanal, reaproveitando peças de bicicletas usadas. Na internet, os registros dos trikes começaram a aparecer em meados de 2008, mas não se sabe ao certo quando eles surgiram. Também foi através da internet que a ideia se difundiu e hoje já existem algumas empresas produzindo profissionalmente esses triciclos. A evolução foi tão rápida que já existem trikes motorizados, dispensando ajuda externa nas subidas.

Brasil. Na Nova Zelândia, a principal marca de trikes é a MadAzz, criada por um dos jovens pioneiros da modalidade. No Brasil, a primeira empresa a construir um trike foi a Dream Bike, que já possui mais de 20 anos no mercado brasileiro de triciclos e BMX. Curiosamente, a ideia foi colocada em prática no programa MTV Sports no início de 2012. “Vimos o ‘brinquedo’ na internet e alguns amigos nossos da emissora falaram para fazermos uma gravação sobre a construção do trike. Depois realizamos uma corrida e colocamos em produção na fábrica. Deu certo e começou a crescer demais a procura”, contou André Ribeiro, diretor executivo da Dream Bike. Segundo Ribeiro, os pilotos brasileiros estão espalhados por várias cidades, com destaque para São Paulo, Belo Horizonte e Arujá – devido às diversas ladeiras dos locais. “É um pessoal que em geral vem do skate ou que tem uma idade mais avançada, que teve um carrinho de rolimã antigo, ou mesmo que tenha receio do BMX devido às quedas. O perfil é bem variado”, completou o empresário.

Fonte: http://www.webventure.com.br/h/noticias/conheca-o-drift-trike-triciclo-para-gente-grande/32107

  • Publicar no Facebook
  • Publique um Tweet no Twitter
  • Enviar por e-mail
  • Copiar URL curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
VLibras botão
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo da Prefeitura de São Pedro pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.