(19) 3481.9200
24/11/2017

Projetos especiais auxiliam no processo educacional de estudantes

 

Para auxiliar no processo educacional dos alunos da rede municipal de ensino de São Pedro, são desenvolvidos vários projetos especiais que trabalham conceitos importantes de forma diferenciada, sempre com o objetivo de fortalecer o aprendizado.

Um dos exemplos é o projeto Hortas Escolares, desenvolvido nas Emebs Iracy Bertochi, no alto da serra e Dr. Celso Silveira Mello, no bairro Vertentes. A coordenação do projeto é do professor do Departamento de Economia, Sociologia e Extensão Rural da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), Ademir de Lucas.

“O projeto das hortas escolares começou em 2014 na Emeb Iracy Bertochi e em 2016 passamos a fazer no integral na Iracy e Dr. Celso Silveira Mello, no bairro Vertentes. A ideia é trabalhar com crianças que vivem na Zona Rural e mostrar a eles que existe uma outra forma de fazer agricultura, diferente da tradicional”, conta o professor.

Os legumes e verduras produzidos nas hortas existentes nas duas escolas não recebem nenhum tipo de herbicida, inseticida ou controlador de praga. “É um sistema de produção agroecológico, orgânico”, avisa o professor.

Outros temas abordados nas aulas são a reciclagem, reutilização de materiais e o destino correto do lixo. “A horta é um motivo para trabalhar a sustentabilidade, o ambiente, mostrar uma produção mais limpa e saudável”, destaca Lucas.

Como atividade complementar do projeto, o professor organizou uma visita dos alunos à Esalq. Eles conheceram vários departamentos e atividades realizadas, como o USP Recicla. “O principal objetivo da visita é mostrar que este (a universidade) é um local acessível para todos, incentivá-los a vir. Se chegarem aqui com outro conceito, de que é possível fazer uma agricultura mais sustentável, será muito bom”.

ENSINO HÍBRIDO – Outro exemplo de atividade diferenciada realizada na rede municipal de ensino é chamado ensino híbrido, atividade realizada em sala de aula pelo professor de Português da Emeb Gustavo Teixeira, Álvaro Souza. “Alia a tecnologia que os estudantes gostam com o conteúdo tradicional e eles acabam por se envolver com o conteúdo em função do mundo virtual, tecnológico, que a gente traz para as aulas”, conta o professor.

Despertar interesse pela leitura e a autonomia dos alunos também são objetivos da aula que conta com o uso de um netbook. O professor divide a sala em grupos que trabalham de forma simultânea. Eles assistem vídeos relacionados ao conteúdo e depois discutem o tema em conjunto.

“Este tipo de atividade facilita o trabalho, desperta o prazer pela leitura e também estimula a integração”, destaca o professor que realiza este tipo de atividade para alunos dos oitavos e nonos anos da escola.

Os alunos aprovam a proposta. “Acho bem legal. Antes só tinha a opinião do professor e hoje têm mais chances de ouvir nossos colegas, o professor, as videoaulas e ainda dá para pesquisar na internet sobre o assunto”, comenta Fernando de Oliveira Figueiredo, 13, do 8º ano.

Para Alice Chaves, também de 13 anos, com os vídeos, as aulas ficaram mais didáticas. “Tem mais opções para explicação e o aprendizado é melhor”, avalia.

Estes são apenas alguns exemplos das várias atividades diferenciadas realizadas na rede municipal de ensino, sempre com o objetivo de estimular o conhecimento e aprendizado.

 

Translate »